quinta-feira, 23 de outubro de 2008

Estrada de Volta

O lugar de onde vieram nunca mais foi o mesmo, sentiu, enquanto olhava de longe.
Pensou várias vezes na mesma frase enquanto observava o chão que mudava de cor a cada passo.
Sentiu o gosto de sangue subir pela boca, mas não parou pra reclamar.
Conhecia bem a dor, conhecia o desconforto. Afinal já vivia com ela a algum tempo agora, tornara-se uma espécie de constante.
Não tinha casa pra onde voltar, mas voltada.
Pessoas não são templos e pensamentos não são motivos o bastante pra viver. O que mais lhe restava?
Parou, olhando pra si mesmo no reflexo que criara dentro de sua cabeça.
Nada faz sentido, nem um centímetro de si mesmo.
Ninguém se faz presente e o coração continua batendo.
Reprimiu o grito e ligou o som.
Em alguns momentos, ignorar é a única coisa que o mantém vivo.

5 comentários:

  1. Concordo Juliana! é aquela velha frase 'ignorar às vezes é preciso'.

    Adoro teus escritos guriazinha!

    ResponderExcluir
  2. gostei mt foda.
    quero arrumar o meu blog para ele ficar mais centralizado.
    bjooo

    ResponderExcluir
  3. pode arrumar a configuração do meu se quiser.
    valeu
    ^^

    ResponderExcluir

speak your mind