terça-feira, 13 de janeiro de 2009

Falta Que a Falta Faz

Uma resposta clara: jogar fora as chaves fecha pra sempre aquelas portas, mas algumas vezes, mesmo com as chaves em mãos não se pode abri-las.
Um tapa, uma colisão - pof.
Tens a idéia de que tudo é mais fácil quando se sabe. És ingênua. Eu sei, eu entendo: e nada está melhor. O peso duro das informações coletadas atrapalham meu sono fazendo calombos no meu colchão.
Um escape, uma rota de fuga - clap.
Alguns tipos de felicidade são substitutas do verdadeiro estado da mente. Algumas vezes isso não importa.
O menos pior não é bom, mas ainda faz o coração bater.
Meu coração pulou um minuto de batimento - tumtum.
Todos os jeitos, todas as formas, todas as agonias que cavam o caminho para fora: carma.
Seus traços aparecem em minha tela negra de inconsciência. Sorrir é mais difícil do que o esperado.
Só as mãos caminham até o encontro de sua pele, trêmulas. O toque é hesitante, mas tem sede.
Conheço cada parte de seu corpo e ainda assim nunca o havia tocado.
Talvez seja um sonho, talvez seja a morte.
Ótimo, que viesse. Se não fosse real, que não fosse eterno.
Morreria, enfim, e toda a tortura acabaria.
Abra seus olhos, Juliana.
Pisquei algumas vezes, enquanto examinava a falta de sanidade em minha situação.
Mas a consideração foi apagada pela textura dos cabelos que senti em minha mão ao alcançá-los. Não precisava ser real se eu pudesse permanecer ali.



As vezes o acúmulo de amor sem direção causa agonia.
As vezes a falta dele direcionada causa a morte.

13 comentários:

  1. 'As vezes o acúmulo de amor sem direção causa agonia.
    As vezes a falta dele direcionada causa a morte.'

    Muito bom isso moça.
    Gostei do espaço.
    Prova de que consegue sim cointinuar a escrever .. ;D

    Passarei mais vezes por aqui;
    Beijos.

    ResponderExcluir
  2. Ótimo texto moça.

    Os dois versos finais foram perfeitos pra mim.

    Ah o amor. Cria e destrói, alimenta e mata.

    Beijo.

    ResponderExcluir
  3. o auto conhecimento realmente é muito dolorido, pois ao passo que sabemos do que somos capazes, também temos consciência das nossas limitações.

    Temos que marcar nosso passeio.

    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Oi moça


    "Só as mãos caminham até o encontro de sua pele, trêmulas. O toque é hesitante, mas tem sede.
    Conheço cada parte de seu corpo e ainda assim nunca o havia tocado."

    Essa parte me fez pensar.
    E como sempre, você me faz pensar, principalmente no que eu não quero, mas eu a agradeço por isso. (=

    ResponderExcluir
  5. "Conheço cada parte de seu corpo e ainda assim nunca o havia tocado."
    Sabia que é assim que me sinto todas as vezes que toco meu amor? Pena ele não ser meu...
    Beijos


    PS.: Lindo, lindo, lindo!

    ResponderExcluir
  6. o amor e tudo que ele causa! Ficou ótimo Ju!

    ResponderExcluir
  7. "As vezes o acúmulo de amor sem direção causa agonia."

    justifica tudo (y)

    ResponderExcluir
  8. mais faciol ser a morte do que um sonho vc não acha?
    é a falta que a falta faz...(jay vaquer.)
    nesse caso melhor não amar....
    oh ohohoho
    big boys...
    big my girl smack.^^

    ResponderExcluir
  9. "Alguns tipos de felicidade são substitutas do verdadeiro estado da mente. Algumas vezes isso não importa."

    Ju,

    Primeira vez que te leio. Embasbacada, fiquei, com a intensidade e maturidade das tuas letras. Tem uma poesia tão real, que gruda. E a gente sente.

    Me encantei, moça.

    E olha, obrigada pela visita ao blog. Fica à vontade pra voltar.

    Te beijo.

    ResponderExcluir
  10. como vc diria? devia ser crime abandonar blogs (y)

    ResponderExcluir
  11. Olá, menina...
    Muito bom teu blog!
    Parabéns.

    =*

    ResponderExcluir
  12. Vc redigiu verdades lindas aqui, moça! lindo demais

    bjm

    ResponderExcluir
  13. O que ninguém disse ainda?
    Sou sua fã!

    =*

    ResponderExcluir

speak your mind