terça-feira, 29 de maio de 2012

Sobre as pessoas e os beija-flores

Escrevi ouvindo a trilha sonora de Submarine



Há uma espécie brasileira de beija-flor que é capaz de bater as asas até 90 vezes por segundo. Esse pássaro é muito pequeno - alguns chegam a medir menos de sete centímetros e a pesar cerca de duas gramas. Seu canto é agudo e rápido. Tão rápido que por muito tempo acreditou-se que ele não emitia nenhum som.

Mas a característica mais impressionante do beija-flor é ser o único pássaro a voar para trás e permanecer parado no ar. Como se estivesse flutuando.
...

Não era o prédio mais alto da cidade, nem mesmo do quarteirão, mas servia ao seu propósito. Conseguia ver o céu. As estrelas. A linha do horizonte.

Toda a movimentação de pessoas e carros lá em baixo soava como um caos distante. Como som abafado por uma porta de vidro. Como o passado.

Tirou da bolsa os potes de tinta. Destampou-os e criou poças coloridas pelo chão. Soltou o cabelo, tirou os sapatos e jogou ao canto o casaco. Passou primeiro os pés descalços pela cor amarela. As palmas das mãos pelo azul. Os cabelos compridos e loiros pelo vermelho. E então se rendeu. Virou uma mancha. Uma criatura indefinida de forma. Cheia de cor. Intensa em partes e serena em outras. Era o céu ao por do sol, enquanto o próprio céu amanhecia.

Deitada no chão abriu os braços e deu boas vindas ao dia. Sentiu a tinta endurecer na pele e sabia que chegara a hora.

Há muito tempo cansara daquele acordo. Daquelas regras. Daquela perspectiva. Para lembrar remotamente da sensação de liberdade, costumava submergir em algum fluxo de água. Para parar no tempo e contemplar a vida, precisava tornar-se irrelevante. Para voar, tinha de fechar os olhos.
Naquele instante, disse adeus às memórias. Sem cerimônias, saltou do topo do prédio e sentiu-se cair e afundar rapidamente em uma queda fria.

Antes de tocar o chão, despiu-se da casca humana, que se chocou - gelatinosa - contra o asfalto. E saltou livre para o céu.

Quem passava por aquela rua, naquele instante, ouviu o som breve de seu canto.

6 comentários:

  1. Há toda uma beleza escondendo outro todo de tristeza. A comparação podia ir muito além das cores e do "voo". Podias bem escrever sobre cada detalhe da pena, dos braços, dos pesos.
    E mesmo por não ter feito isso, ler sobre as pessoas e os beija-flores deixa certa inquietação em mim.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esse texto está cheio de imperfeições de um texto inacabado...Porque ele está inacabado, em suma.

      Excluir
    2. Não, obrigada. Deixa pra outra hora XD

      Excluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir

speak your mind